sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

sobre "Capitães da Areia" - de Jorge Amado




Sobre “Capitães da Areia” (1937)

do autor Jorge Amado (1912-2001)



A Infância sem infância



Introdução



Em obras anteriores encontramos as crianças em situações de risco – social ou físico – em momentos que poderiam ser fatídicos. Ora lutam contra as condições familiares ora contra as condições de uma escravatura. Ora são vítimas da miséria que acompanha a exploração. Ora lutam por um pedaço de terreno, ora foge de casa em busca de liberdade.


Em todas estas situações há uma revolta juvenil contra as condições. Para o bem ou para o mal, as crianças buscam um lugar delas no mundo – com rebeldia ou desejo de independência – ânimos mais inflamados nos jovens (como veremos nos ensaios próximos).


Quando observamos os meninos da Rua Paulo, na obra do húngaro Mólnar, percebemos o quanto há de realismo na obra, o quanto há de 'a vida como ela é', sem muita idealização (ainda que tenhamos caricaturas e personagens meramente figurativas), ma situações que parecem ter saído diretamente da biografia do Autor.


Também este realismo, ao observar as crianças, está presente na obra “Capitães da Areia” do autor baiano Jorge Amado. O narrador tudo sabe e tudo vê – é uma testemunha do sofrimento das crianças em condições adversas, meio à humilhação, à violência e à miséria. Sendo testemunha, ele se manifesta – explicito ou implicitamente – favorável a um dos lados. Nestas obras, a criança é o protagonista. Os adultos são antagonistas, são figurantes, ou pouco aparecem. É como se fosse um reino das crianças.


É difícil avaliar em que nível uma criança entenderia o que se diz sobre ela. Uma criança de dez anos seria capaz de ler “Aventuras de Huckleberry Finn”? Uma menina de doze anos poderia ler “Menino de Engenho”? Qual idade para se começar a entender “Capitães da Areia”? Um menino de rua o compreenderia? Antes, o poderia ler? Não, não seria. Uma criança alfabetizada, escolarizada, já teria dificuldades.


Estas obras sobre crianças são para adultos, não para crianças. São adultos que se lembram dos dias de crianças. É um olhar de adulto sobre o mundo infantil. Crianças não se observam – crianças vivem em espontaneidade. Depois quando se é adulto se rememora, se teoriza sobre 'o ser criança'. A criança na ficção, por mais realismo que tenhamos, é ainda isso: uma ficção.




Capitães da Areia



Personagens


Sob a lua, num velho trapiche abandonado, as crianças dormem.”



Os chamados Capitães da Areia são crianças que lutam para sobreviver, mais ou menos umas quarenta e que se abrigam num trapiche, abandonado na beira da praia. Temos uma galeria de personagens um tanto ampla, alguns são caricaturais, mas outros se destacam, ou recebem uma maior atenção do narrador. Digamos que se desenvolvem psicologicamente durante a narrativa.


Comecemos pelo chefe dos Capitães da Areia . É chamado de Pedro Bala, pardo, uns 15 anos, e desde os 5 anos vagabundeia pelas ruas, aos 4 anos, Pedro expulsara o antigo chefe Raimundo Cabloco. Da luta sobrou-lhe uma cicatriz de corte de navalha no rosto.


Todos reconheceram os direitos de Pedro Bala à chefia, e foi desta época que a cidade começou a ouvir falar nos Capitães da Areia, crianças abandonadas que viviam do furto.” p. 21


João Grande, um negro, de uns 13 anos, vive há 4 anos nas ruas, é um que impõe respeito, posto que 'bom de briga'. Temos também o João José, chamado de “Professor”, um menino franzino, magro, míope, triste, que gosta de ler, ali à luz de velas, e por isso rouba livros, e gosta de contar estórias para os demais.


Há também o “Sem-Pernas”, de uns 13 anos, um menino coxo, mas meio expansivo, que nutre muito rancor, Seu coração estava cheio de ódio.” (p. 31) que não troca a rua por um lar, ainda que quase adotado num momento ou outro, mas percebe o quanto as crianças são carentes, pois Sem-Pernas pensa: “a alegria daquela liberdade era pouca para a desgraça daquela vida” (p. 39)


O “Pirulito”, cujo nome é Antônio, é um menino magro, alto, de cara seca, olhos encovados, pouco risonho, antes violento e cruel, mas que descobre suas inclinações religiosas, a ponto de ter confiança num padre mais progressista, preocupado com a miséria, e não apenas com os rituais vazios da Igreja. Em contraponto, mais materialista e vaidoso que o “Gato” não há. De porte elegante, com seus 14 anos, usa até sapatos. Deixa bem claro que não é 'maricas', que tem uma amante, que sua vaidade é a de uma 'elegância malandra'.


Mas Gato consegue atrair a atenção de um “mulato troncudo e feio”, baixo e acachapado, de uns 13 anos, o “Boa-Vida”, que acha o Gato muito bonito, e tenta seduzi-lo. No mais, não rouba muito, é uma espécie de “parasita do grupo”. O 'sonho' de Boa-Vida é crescer malandro, viola debaixo do braço e navalha afiada no bolso.


Volta Seca, um mulato sertanejo, fã de Lampião e dos cangaceiros. Aos 16 anos finalmente foge para se juntar aos bandoleiros de Lampião. O negro Barandão será indicado como chefe do grupo, pelo próprio Pedro Bala, quando o rapaz vira um grevista, ou 'militante proletário', seguindo o destino do pai. Outro é o Almiro, de uns 12 anos, gordo e preguiçoso, morre de varíola.


E, finalmente, Dora, menina de 14 anos, órfã de pai e mãe, mortos de varíola, vem morar uns meses no trapiche, vira uma espécie de mãe dos menorzinhos. Depois é presa e levada ao orfanato, adoece com febre, e é resgatada pelos Capitães. Depois morre nos braços de Pedro Bala.


São diferentes, e de diferentes destinos, mas unidos na miséria compartilhada. Diferentes 'vocações' imersas nas mesmas condições de falta de oportunidades.


Todos procuravam um carinho, qualquer coisa fora daquela vida: o Professor os livros, o Gato a cama de uma mulher, Pirulito a oração, Barandão e Almiro no amor na areia.” (p. 39)



Enredo



Desde o início o leitor tem acesso a uma série de notícias sobre a vida e agruras das crianças que perambulam pelas ruas, crianças abandonadas ou fugitivas de lares desfeitos. Cada uma com um histórico de sofrimentos e crueldades, ou abandono, ou mal-tratos.


Temos notícias de jornais sobre os feitos das 'crianças ladronas', os capitães de areia, editais, cartas de leitores, autoridades. A imprensa burguesa exige repressão – e não reeducação - para as vítimas da desigualdade social.


Enquanto autoridades discutem o problema com retórica e mil promessas, as crianças continuam abandonadas junto ao cais, em plena miséria, na qual sobrevivem de várias formas, principalmente através da mendicância e do roubo. Ou do jogo desonesto.


Nunca ninguém soube o número exato de meninos que assim viviam. Eram bem uns cem e destes mais de quarenta dormiam nas ruínas do velho trapiche.


Vestidos de farrapos, sujos, semi-esfomeados, agressivos, soltando palavrões e fumando pontas de cigarro, eram, em verdade, os donos da cidade, os que conheciam totalmente,os que totalmente a amavam, os seus poetas.” p. 21



De onde vinham as crianças? Quem era responsável por elas? Aliás, quantas crianças? Nem o narrador sabe. “Ali estavam mais ou menos cinquenta crianças, sem pai, sem mãe, sem mestre, tinham de si apenas a liberdade de correr as ruas.” (p. 38)


Organizado, de certa forma, por Pedro Bala, o grupo vive tal qual uma 'comuna', a dividir todos os ganhos e roubos, com uma série de regras de convivência. Assim como encontramos nos grupos de meninos em “Meninos da Rua Paulo”, do húngaro F. Mólnar (link abaixo), cada turma se organiza em regras e em contraposição a uma outra turma. Quanto às regras, entre os Capitães, uma das principais é : proibido roubar os outros do grupo. Outra importante é: os pederastas passivos devem ser expulsos. E assim mais outras, pois mesmo na marginalidade um grupo social não se mantém sem regras. E s crianças devem seguir as 'regras' para se manterem no grupo – pois sabem que viver sem o grupo é muito mais difícil.


mais sobre "Meninos da Rua Paulo" de Mólnar

http://meucanoneocidental.blogspot.com/2011/11/sobre-os-meninos-da-rua-paulo-de-ferenc.html


Algumas personalidades marcam. O menino João José, o Professor, é até intelectualizado, gosta de livros, das histórias, gosta de desenhar, vez ou outra pensar sobre a vida, enquanto lê as brochuras e encadernações que rouba por aí,


Lia-os todos numa ânsia que era quase febre. Gostava de saber coisas e era ele quem, muitas noites, contava aos outros histórias de aventureiros, de homens do mar, de personagens heroicos e lendários, histórias que faziam aqueles olhos vivos se espicharem para o mar ou para as misteriosas ladeiras da cidade, numa ânsia de aventuras e de heroísmo.” p. 24


Também quem pensa muito na vida, mas por um outro prisma que não o literário, é o menino Sem-Pernas, cheio de sarcasmo, ódio e desespero, tendo sido logo cedo espancado por policiais. O menino amargurado até gostaria de ser aceito pelas pessoas, mas só consegue nutrir o ódio, uma vontade de arrasar tudo e todos. “Rindo e ridicularizando era que fugia da sua desgraça.” (p. 30)


Por outro lado, sem pensar muito, temos o Gato, que é o menino 'aprendiz' de malandro – quer ser sedutor e não o seduzido. Quer as mulheres experientes, as 'damas da noite', aquelas profissionais do sexo que deslizam pelas ladeiras com perfume forte e rebolado fascinante.


Os meninos não perdem oportunidades de viverem aventuras. Do tipo resgatar um pacote de cartas numa mansão, ou ajudar na montagem do carrossel na praça. O carrossel vem a ser uma rara diversão para as crianças pobres. É um momento raro no qual esquecem a própria miséria. Sem-Pernas se emociona, até o precoce 'bandoleiro' Volta Seca brinca nos cavalinhos coloridos, pois até Lampião brincou no carrossel !


Nas noites da Bahia, numa praça de Itapagipe, as luzes do carrossel girariam loucamente movimentadas pelo Sem-Pernas. Era como num sonho, sonho muito diverso dos que o Sem-Pernas costumava ter nas suas noites angustiosas. E epla primeira vez seus olhos sentiram-se úmidos de lágrimas que não eram causadas pelo dor ou pela raiva. […]


-É uma beleza – disse Pedro Bala olhando o velho carrossel armado. E João Grande abria os olhos para ver melhor. Penduradas estavam as lâmpadas azuis, verdes, amarelas, roxas, vermelhas.” p. 57



A narrativa acompanha as crianças e tudo o que anda nos arredores. Vários ideologias e ideólogos transitam – desde as autoridades até os grevistas, desde os religiosos até os comunistas. A presença de um padre com origens humildes – e que resolve ajudar as crianças pobres – já é uma figura ideológica.


É a presença dos católicos de esquerda, ou socialistas cristãos, adeptos do que seria a 'Teologia da Libertação', a preocupação com as questões sociais, a exploração do homem pelo homem, além dos dogmas teologais. Estes cristãos esquerdistas voltaram-se contra as posições elitistas da Igreja oficial – sempre conivente com os proprietários, políticos e autoridades – e muitos até apoiaram os revolucionários marxistas nos anos da Ditadura Militar (1964-85).


mais info


http://www.historialivre.com/brasil/teoliberta1.htm

http://www.espacoacademico.com.br/017/17cwrossi.htm

http://www.domtotal.com/colunas/detalhes.php?artId=1420



Aqui temos a figura do padre José Pedro, que antes havia sido operário numa fábrica de tecidos – nunca foi um bom aluno no seminário, “sua retórica era pobre e falha”, mais fazia tudo pela 'missão' de converter e salvar as crianças abandonadas à miséria. O padre critica a religiosidade hipócrita e culpada: as beatas viciadas em incenso e indiferentes aos males sociais. As classes privilegiadas que buscam a religião como um alívio de consciência ou interesse de prestígio social (em festas de batizado, crisma, casamento, etc)


Por outro lado, os meninos desconfiam de todos que prometem ajudar. As crianças pobres, mas soltas, preferem a liberdade das ruas do que as famílias adotadas. E quanto a religião, os meninos não gostam de rezar... mas gostam do jeito modesto do padre, que ostentava tanta pobreza quanto eles.


Claro que as beatas, as viciadas em incenso, as reacionárias, não gostam daquele contato do padre José Pedro com os meninos de rua.


Outra figura ideológica aqui é o líder trabalhista, em dado momento um dos grevistas, o operário João de Adão. Nas docas, Pedro Bala sabe sobre o passado grevista de seu pai, o Raimundo, o Loiro, que “morreu aqui mesmo lutando pela gente, pelo direito da gente” (p. 77), diz João de Adão, ao revelar que o pai de Pedro era um homem valente que morreu na violência da repressão policial contra os grevistas de outrora.


Raimundo, o Loiro, foi morto quando Pedro tinha apenas 4 anos de idade. Agora é um rapaz de quinze. Assim descobrimos que a orfandade de Pedro foi causada pela luta de classes, quando os trabalhadores se revoltam contra a exploração da mão-de-obra. Sejam cristãos ou não, marxistas ou não, anarquistas ou não, os operários descobrem que enriquecemos patrões e pouco ganham do lucro que eles mesmo geram.


Pedro Bala passa a ter orgulho do pai – que defendia os grevistas, que lutava para melhorar as condições de trabalho dos estivadores, e agora Pedro deseja participar das greves, seguir assim a trilha do pai, como a continuar a luta, de geração a geração. Pois a pobreza e a miséria não acabaram.


Vida dura aquela, com fardos de sessenta quilos nas costas. Mas também poderia fazer uma greve assim como seu pai e João de Adão, brigar com polícias, morrer pelo direito deles. Assim vingaria seu pai, ajudaria aqueles homens a lutar pelo seu direito (vagamente Pedro Bala sabia o que era isso). Imaginava-se numa greve, lutando. E sorriam os seus olhos como sorriam os seus lábios.” p. 78


e


Um dia iria fazer uma greve como seu pai... Lutar pelo direito... Um dia um homem assim como João de Adão poderia contar a outros meninos na porta das docas a sua história, como contavam a de seu pai. Seus olhos tinham um intenso brilho na noite recém-chegada.” p. 79


Assim, em momentos que poderíamos desesperar, ou apelar para as religiões hipócritas, temos uma alternativa: a luta dos grevistas, a consciência de classe tomando forma e atuando para a melhoria das condições de trabalho. O que não se pode é aceitar a miséria, nem se resignar,ou esperar o Além, a outra vida, mas lutar aqui e agora pelo fim das desigualdades sociais, causada pela exploração vergonha que os seres humanos fazem sobre os próprios semelhantes.


Muitas vezes a explicação para a pobreza não vem de questões econômicas, mas de morais e religiosas, quando o padre progressista pensa em pecado, hipocrisia, caridade. Ou julga as crianças segundo critérios morais, ao pensar que são perversas, cruéis, malvadas. Entre a esperança e a desesperança, a crença do Padre inclina-se sempre a uma providência divina para 'converter' as crianças sem rumos. (Enquanto o líder sindical tem outra crença: na Revolução. Irônico é que depois quem será acusado de comunista é o pobre padre amigo das crianças sem amigos...)


Padre José pedro achava que Deus perdoaria e queria ajudá-los. E como não encontrava meios, e sim uma barreira na sua frente (todos queriam tratar os Capitães da Areia ou como a criminosos ou como a crianças iguais àquelas que foram criadas com um lar e uma família), ficava como que desesperado, por vezes ficava atarantado. Mas esperava que Deus o inspirasse um dia e até lá ia acompanhando os meninos, conseguindo por vezes evitar atos de malvadeza das crianças. […] Mas ia tenteando e por vezes sorria satisfeito dos resultados. A não ser quando João de Adão ria dele e dizia que só a revolução acertaria tudo aquilo.” p. 102



Não há apenas um discurso, mas vários, e principalmente o discurso das Esquerdas, em ímpeto revolucionário, na crença de uma revolução que elimine as desigualdades sociais, o que é coerente ao lembrarmos da biografia do Autor, onde consta toda uma formação esquerdista, até comunista. E esta militância não está ausente da obra de arte – toda obra é escrita por alguém, que tem ideias e ideologias, consciência e discurso.


E as personagens estão jogadas entre forças contrárias – as autoridades, os religiosos, os bandoleiros, os malandros, os grevistas – e era se identificam com uma ou outra. As identidades se formam meio aos elementos mais turbulentos, onde cada crianças tem em si um mecanismo de defesa e ataque –o que deseja ser padre precisa se defender do que deseja ser malandro, e o malandro tem que se defender do que deseja ser líder sindical.


Várias manifestações atraem as crianças. As religiões africanas ancestrais igualmente atraem outros, assim como os rituais católicos romanos. Assim muitos sonham com orixás enquanto outros esperam o Reino dos Céus. Cada criança aceita uma identidade a partir de desejos e consolações. E o narrador sabe muito bem transitar por todas estas forças sociais, religiosas, políticas.


Algumas crianças explicitam necessidades de origem material – falta de assistência e renda, ou de origem psicológica – falta de carinho numa família, de equilíbrio afetivo, ou de origem espiritual – a busca de um sentido para a vida e uma missão e/ou salvação. Cada uma luta para preencher estas necessidade – em constante conflito com o mundo ao redor.


Elas necessitam e muitas vezes quando encontram , não acreditam. Quando encontram um padre bondoso, precisam vencer as desconfianças. Quando encontram um lar, precisam esquecer as dores de outrora. Quando se libertam dos reformatórios, precisam re-acreditar na vida solta das ruas. Vivem então em insegurança, inverdade, remorso, descrença. Não podem pensar no dia de amanhã, precisam garantir a sobrevivência de hoje.


Quando encontram carinho e atenção, julgam não merecer, julgam não ser real, que outro interesse existe, que podem pagar caro por um momento de afeto e felicidade. Sentem-se culpados, acreditam que todos são culpados. Ainda mais nos sentimentos rancoroso do complexo personagem Sem-Pernas, aleijado no corpo e amargurado na mente – julgando a todos e afundando em rancor. Ele finge ser um bom menino quando 'adotado', apenas para ajudar no assalto da casa que o acolheu.



Porque o Sem-Pernas achava que eles eram todos culpados da situação de todas as crianças pobres. E odiava a todos, com um ódio profundo, sua grande e quase única alegria era calcular o desespero das famílias após o roubo, ao pensar que aquele garoto esfomeado a quem tinham dado comida fora quem fizera o reconhecimento da casa e indicara a outras crianças esfomeadas onde estavam os objetos de valor.


[…] Assim verão que ele é um menino perdido, que não merece um quarto, roupa nova, comida na sala de jantar. Assim o mandarão para a cozinha, ele poderá levar para diante sua obra de vingança, conservar o ódio no seu coração. Porque se esse ódio desaparecer, ele morrerá, não terá nenhum motivo para viver.” pp. 113-14


O amargurado Sem Pernas odeia a todos, menos os companheiros Capitães, também vítimas iguais a ele, todos sofrendo com a exploração, a pobreza e a insegurança. Seja na marginalidade, seja no trabalho braçal, seja no crime, seja na prostituição, as misérias se reproduzem e os meninos de ruas podem gerar outros meninos de rua. Temos novas gerações de crianças abandonadas, todas nascidas e criadas na insegurança e violência das ruas.


Um contraponto interessante nesta história triste é a presença de uma menina num elenco de meninos. A menina Dora que adentra e personaliza as relações – ela vem trazer afeto e carinho para os meninos, ela que vai se tornar uma espécie de mãe em miniatura para todos os órfãos. Ela mesma uma órfã, que perdeu a família numa epidemia de varíola que se alastrou pela cidade. Epidemia que vitimou crianças meio aos Capitães.


A presença da menina é primeiramente encarada com muito 'apetite sexual' pelas crianças precoces, os meninos maiores. Afinal, os meninos veem as mulheres apenas como objetos sexuais, uma vez que pouco conhecem de amor materno ou afeto filial. Uma menina é vista apenas como mais uma mulher que serve para ser 'derrubada no areal', como costumava fazer o próprio Pedro Bala.


Ele, o líder, não defenderia a menina Dora da agressão sexual desejada pelos meninos maiores. João Grande e Professor são os primeiros a verem uma menina como uma ajudante, uma companheira do grupo. Pedro somente vai respeitar Dora quando perceber nela uma menina também carente, não uma mulher a seduzir. Ela é uma mãe para os demais meninos, os menorzinhos – e, de certo modo, uma noiva para ele. A ambiguidade do afeto gera cenas idílicas que não aconteceram antes.


Ela [Dora] de longe sorria para Pedro Bala. Não havia nenhuma malícia no seu sorriso. Mas seu olhar era diferente do olhar de irmã que lançava aos outros. Era um doce olhar de noiva, de noiva ingênua e tímida. Talvez mesmo não soubessem que era amor. Apesar de não ser noite de lua, havia um romântico romance no casarão colonial. Ela sorria e baixava os olhos, por vezes piscava com um olho porque pensava que isto era namorar. E seu coração batia rápido quando o olhava. Não sabia que isso era amor. Por fim a lua veio, estendeu sua luz amarela no trapiche. Pedro Bala se deitou na areia e mesmo de olhos fechados via Dora.” pp. 182-83


O clima de idílio não dura muito. Novas aventuras esperam pelos Capitães de Areia – crimes, prisões, greves, reformatórios, orfanatos, fugas, planos para enganar a polícia – e lá está a imprensa (nada imparcial, mas sempre do lado de quem paga, isto é, os chefões, as autoridades, os políticos) para criar a fama malévola das crianças abandonadas, como se elas não passassem de demônios mirins. Acompanhamos o sofrimento de Pedro Bala como uma punição da ordem contra os infratores – onde as crianças de vítimas passam a ser réus, culpados enquanto as autoridades continuam a manter uma sociedade desigual, onde uns lucram muito e a maioria sobrevive com migalhas.


É fácil culpar as vítimas, mais fácil do que abolir a (des)ordem social que cria as vítimas. “Porque todos odeiam os meninos pobres, pensa Pedro Bala.” (p. 195) O mesmo Pedro Bala que se tornará líder sindical ao seguir sua 'vocação', só terá o ódio que nutre contra as autoridades além da fidelidade dos Capitães para ajudá-lo a sobreviver. “Castigos... Castigos... É a palavra que Pedro Bala mais ouve no reformatório. Por qualquer coisa são espancados, por um nada são castigados. O ódio se acumula dentro de todos eles.” (p. 203)


A mesma Dora que era a mãezinha do grupo, agora reclusa num orfanato, vê a saúde desaparecer, e sobrar apenas a solidão. “Um mês de orfanato bastou para matar a alegria e a saúde de Dora. Nascera no morro , infância em correrias no morro. Depois a liberdade das ruas da cidade, a ida aventurosa dos Capitães da Areia. Não era uma flor de estufa. Amava o sol, a rua, a liberdade.” (p. 206) Quando os Capitães chegam para resgatar a menina ela já está febril.


Dora não sobrevive muito. Passou como uma sombra, diz a mãe-de-santo, uma mãe para os meninos, uma musa para o Professor, uma noiva para Pedro Bala. O episódio de Dora no trapiche encerra outro ciclo na narrativa, que agora declina. Cai literalmente quando um dos personagens mais bem delineados se joga do alto do Elevador. Assim Sem-Pernas consegue fugir dos policiais. Morre carregando seu ódio até o amargo fim.

Muitas vezes o narrador adianta fatos futuros – até onde levará a vocação de cada um – saberemos que um será bem sucedido, será artista, enquanto outro vai se aliar aos bandoleiros, e será executado por forças policiais; outros será apoiador de grevistas e aliado de estudantes revolucionários, e ainda outro que vira padre, ou acaba por se matar.


Somente uma mensagem positiva fica ao final do livro. É preciso a união dos explorados para lutar contra os exploradores, os privilegiados, os proprietários, os donos da riqueza. Sem a luta coletiva não poderá haver mudança. Por isso Pedro Bala se torna um 'militante proletário', um subversivo, um fora-da-lei (entenda-se: a lei dos poderosos, dos privilegiados). Assim os sindicalistas, os cooperativistas, os anarquistas, os socialistas, os comunistas, em suma, todos os grupos de ação política alternativa nos anos 1920-1930 aparecem de algum modo na vida dos meninos vítimas da exploração.


Assim como vimos em “Os Meninos da Rua Paulo”, onde o autor húngaro destilou muito da própria infância , da própria biografia, aqui muito da contraditória Bahia do autor Jorge Amado está entrelaçada no enredo, muito além das aventuras dos bandos de meninos, a sugerir que ele certamente viveu muitas das situações narradas, enquanto seguia andando por ruas, ruelas e becos, praças e praias, atento aos vultos dos Capitães da Areia.


Nov/11



Leonardo de Magalhaens


http://leoleituraescrita.blogspot.com

http://meucanoneocidental.blogspot.com




videos


http://www.youtube.com/watch?v=0YWYy5JLeXI&feature=related



filme


Capitães da Areia” (2011)

http://www.youtube.com/watch?v=VTav_7PbnpU



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário